Valentão

Em toda classe, em todos os anos, há o valentão da turma. Da pré-escola à universidade, eles estão e estarão lá. Se bem que no ensino superior, o valentão é de outro tipo: é o valentão intelectual, recém-assenhorado de parte do mundo intelectual e que lambe com fogo seus colegas. Geralmente, o valentão do intelecto é justamente aquele que era espezinhado pelo valentão tradicional, nos anos anteriores, e que, agora, enquanto pavoneia-se na sala de aula, o outro levanta muros ou atende o balcão do McDonald’s, sem muito tempo para reflexões.

Mas quero ficar no valentão tradicional, deixemos o acadêmico para outra oportunidade. É aquele que tivemos oportunidade de conhecer — ou de ser — na escola. Distribuía croques, dava aos outros apelidos vexatórios, pescotapas discretos, brigava na porta da escola contra qualquer um que fosse contra seu poder, fosse alguém que se levantasse contra a tirania ou entrasse em concorrência pelo poder, um novo valentão ou o valentão do 6º ano.

Dos meus anos de escola, lembro-me de um valentão peculiar. Não era forte, ao contrário, era fracote como a maioria de nós, cabeçudo e com a cara cheia de pintas. Mesmo assim, era de tirar satisfação conosco, seja quando fazíamos algazarra ou ofendíamos a prima dele. Também não dava croques e sua voz era suave, mas as palavras soavam como pequenas peças pontudas de aço, ríspidas. Ele tinha um segredo: intimidava e era respeitado por ser deficiente. Sua mão esquerda era deformada de nascença, parecia um pequeno sabonete usado do qual saíam dedos incipientes e cor-de-rosa, que, segundo me lembro, não se mexiam.

Não lhe levantávamos a voz. A visão daquela mãozinha nos intimidava; talvez ele chorasse se lhe lembrássemos da existência daquela mão. Mão que, aliás, existia e não existia. Nunca era citada e apenas saía do bolso da calça do valentão quando ele ia “resolver” alguma pendenga. A mão era a sua autoridade sobre nós; a mão deformada da Justiça.

Já nos últimos anos do primeiro grau, o valentão da mãozinha começou a namorar a menina que era cobiçada por todos, lourinha com olhões translúcidos. Perto dele, ela mirrava, e seus olhos ficavam como se fossem de vidro.

E a mãozinha sempre na iminência de ser sacada do bolso, como uma arma sempre próxima.

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Sem categoria

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s